• Português
  • English

“Confie nos seus filhos, eles são capazes. São crianças que podem ganhar o mundo”, diz mulher que nasceu com espinha bífida e médicos achavam que não iria sobreviver

22/12/202015:42

Bruna Filizzola, na tela, falou sobre futuro para famílias de crianças e adolescentes com lesão na medula

Renata Moura e Kamila Tuenia

Repórteres

Trinta e oito anos depois de nascer, de médicos dizerem “ela não vai sobreviver” e anunciarem à família “perca as esperanças”, Bruna Filizzola olha para a câmera e roga a dezenas de homens e mulheres: “Confie nos seus filhos, eles são capazes. São crianças que podem ganhar o mundo”. 

O vídeo dura aproximadamente 10 minutos e é exibido em um auditório no Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi, do Instituto Santos Dumont (ISD), em Macaíba (RN). Os espectadores são mães e pais de crianças e adolescentes com diferentes tipos de lesão na medula, atendidos no Centro.

Os adultos aplaudem o depoimento e embarcam em uma reflexão sobre futuro. Enquanto isso, os filhos assistem a outra gravação na sala ao lado e dizem “nossa!” ao verem cenas em que  leem, escrevem, exibem desenhos, surfam, jogam bola, fazem bolo, tocam violino, andam de bicicleta e posam para foto, sorrindo.  

Crianças e adolescentes atendidos no Anita foram estimulados a conversar sobre potencialidades

Assim como Bruna, parte deles nasceu com mielomeningocele, o tipo mais grave de espinha bífida – uma malformação do sistema nervoso que afeta a coluna e pode resultar em paralisia das pernas e comprometer o funcionamento da bexiga e do intestino.

O Brasil já foi apontado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o quarto país em prevalência dessa malformação, atrás de México, Venezuela e Bulgária. 

Prognósticos de expectativa de vida reduzida não eram raros. “Mas essa realidade mudou com o avanço dos tratamentos”, explica Camila Simão, coordenadora de reabilitação física, fisioterapeuta e preceptora multiprofissional do Anita.

Uma média de 50 crianças e adolescentes por mês são atendidos na clínica de Lesão Medular Infantil do Centro, uma das nove que abriga. Cerca de 90% dos pacientes da clínica, segundo Camila, apresentam algum tipo de espinha bífida. 

“Apesar de não ter cura, há tratamentos multiprofissionais, estímulos, terapias e recursos adequados para ganhos de funcionalidade, qualidade de vida e maior inclusão social”, observa a fisioterapeuta. 

O apoio da família, garante Bruna, também é fundamental no processo.

“A minha persistência e a dos meus pais sempre foram muito grandes. Tem momentos em que a gente fica triste, deixa se abater, em que a gente não confia. Mas na hora em que a gente pega aquela força de dentro e fala ‘tudo vai dar certo’…isso levou meus pais a acreditarem. Foi sempre a fé, a positividade, a esperança”, disse ela no vídeo que gravou para contar a própria história a mães e pais das crianças e adolescentes atendidos no Anita.

Mielomeningocele

A mielomeningocele é uma malformação congênita, ou seja, já visível no nascimento do bebê.

A espinha dorsal da criança com essa condição não se forma como deveria durante a gravidez. Ela nasce com uma abertura nos ossos da coluna e por essa abertura sai uma espécie de bolsa cheia de líquido, meninges e medula ou raízes nervosas – exposta nas costas. 

Uma cirurgia para fechamento dessa abertura é recomendada nas primeiras 24 horas após o parto. “Na hora em que eu fui entrar na cirurgia, minha mãe olhou pra mim e tinha certeza de que eu ia viver, apesar de os médicos não acreditarem”, conta Bruna. “Motivação da família, persistência, fisioterapia e esportes” foram chaves que, afirma ela, permitiram que alcançasse o futuro. 

“Eu cresci, estudei em escolas normais, fiz esporte, me formei em direito, casei. Meus pais sempre me jogaram pra frente, deram força”, complementa ela enquanto abraça a filha de 7 anos a quem chama de “benção de Deus”. 

“Seu filhos precisam de cuidados? precisam. Mas nunca os joguem para baixo. Sempre deem muita autoconfiança”. 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Instituto Santos Dumont (@isdnarede)

“A gente vai conhecendo superações”

Bruna nasceu e vive no Sudeste do Brasil. No Sul do país, Fábio Luiz Henz, de 33 anos, também nasceu com mielomeningocele e trilhou caminhos cheios de desafios.

A criança vai morrer. Qualquer bactéria nessa medula aberta vai ser fatal”, disse inicialmente um médico. 

Segundo perspectiva apresentada aos pais, o bebê também poderia viver em estado vegetativo.  

“A gente fica atordoado”, lembra Miguel Henz, pai de Fábio. 

“Mas vai conhecendo superações depois. A fé nos ajuda a superar o desconhecido. A gente começa a descobrir a força interior das crianças”, acrescenta ao lado da mulher, Clacy, e das dezenas de mulheres e homens que assistem aos depoimentos de Bruna e Fábio no Anita, em Macaíba, município a 14km de Natal, capital do Rio Grande do Norte.

No artigo Consciência no estado vegetativo, o médico e escritor Drauzio Varella descreve o Estado vegetativo como “a mais frustrante das condições humanas”: “a pessoa está viva, mas parece incapaz de reagir a estímulos externos. (…) Abre os olhos, dorme, acorda, executa as funções fisiológicas, mas durante meses, anos, permanece alheia, incapaz de esboçar a menor reação. Nessa situação, os familiares costumam perguntar: ‘Ela entende o que nós falamos?’, ‘Percebe que estamos do lado dela?’. 

Contrariando expectativas iniciais ouvidas no hospital, para Fábio essa realidade passou longe.

O menino que acharam que não teria futuro é formado em direito, atua no mercado como empresário e conta com orgulho que já foi atleta paralímpico de natação, que jogava futebol com os pais e pratica atualmente handbike, o ciclismo adaptado, e calistenia, um conjunto de exercícios físicos em que o praticante utiliza o peso do próprio corpo.

“Eu passei por dificuldades’, diz Fábio. “Mas estou aqui. O ‘vegetativo’ está aqui conversando com vocês”. 

Veja abaixo o vídeo  com o depoimento completo de Fábio:

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por Fabio Henz (@fabiohenz)

“Existem formas de fortalecer as famílias. De ressaltar potencialidades”

Fábio, os pais dele e Bruna foram convidados pela clínica de Lesão Medular do Anita/ISD para contar a famílias de crianças e adolescentes com espinha bífida e outras lesões na medula como lidaram com o diagnóstico e superaram desafios.

A discussão ocorreu em alusão ao Dia Mundial da Espinha Bífida, instituído em 25 de outubro, e teve como tema principal “o futuro”.

“Para construir o futuro, para que seus filhos tenham um futuro brilhante, a gente tem que construir o presente, o agora”, disse Fábio.

Questões como saúde física, mental, preconceito e apoio foram discutidas a partir dos depoimentos dele e de Bruna.

“Existem formas de fortalecer as crianças, adolescentes e suas famílias, mostrando e ressaltando suas potencialidades”,  disse Camila Simão, coordenadora de reabilitação do Anita. “Barreiras existem, mas também existem formas de superá-las”.

Enquanto a mensagem era compartilhada com mães e pais no auditório, o fisioterapeuta do Anita/ISD, Gentil Fonseca, e residentes entretinham e motivavam crianças e adolescentes na sala ao lado.

“Nosso objetivo é fazer eles enxergarem que eles não apresentam apenas dificuldades funcionais e limitações de atividades, mas sim que apresentam potencialidades que podem servir de hobby (passatempo) e também se tornar profissão”, diz Fonseca, acrescentando que “a participação social, o estímulo à autonomia e a prática de exercícios físicos são ferramentas que irão estimular as crianças e os adolescentes no processo de reabilitação, mas também de construção do indivíduo”.

“Ao enxergar o potencial do outro e o próprio potencial, eles passam a entender que podem viver com uma deficiência e ter uma vida normal”, analisa.

SAIBA MAIS

Como é o tratamento para mielomeningocele e outros tipos de lesão medular infantil?

A mielomeningocele e outros tipos de lesão medular requerem tratamento precoce e multiprofissional, o que inclui fisioterapia motora, fisioterapia urológica, psicoterapia, neuropsicologia, terapia ocupacional, acompanhamento com neurocirurgião e ortopedista. 

Camila Simão explica que a espinha bífida como condição de saúde pode levar a um quadro de lesão medular congênita e, por consequência, a alterações sensoriais, motoras e do funcionamento da bexiga e do intestino.

No caso da bexiga, leva a dificuldades na continência urinária – ou seja, pode impedir que a pessoa afetada ‘segure’ voluntariamente o xixi e por isso tenha que esvaziar a bexiga com a ajuda de uma sonda, processo chamado de cateterismo. 

O movimento do intestino responsável por levar as fezes para o reto, parte do corpo por onde elas saem, também sofre alterações e esses pacientes podem ter constipação intestinal – conhecida como intestino “preguiçoso” – e também apresentar a chamada incontinência fecal, ou seja, dificuldade para ‘segurar o cocô’ quando sentem vontade de defecar ou, por exemplo, fazem algum esforço comum no dia a dia.

“A Fisioterapia atua tanto para ajudar nos sintomas sensoriais e motores (fisioterapia motora) como para ajudar no comportamento da bexiga e do intestino. O objetivo é torná-los continentes (sem perder coco e xixi) por meio de estratégias terapêuticas”, explica Camila Simão. 

Quanto antes iniciado esse tipo de intervenção, segundo a fisioterapeuta, maiores são as chances de melhorar a função muscular e motora, bem como sua funcionalidade e participação. “Se a gente não intervém cedo, essa criança pode não adquirir as habilidades que poderia alcançar”.

Questões emocionais das crianças e adolescentes também são acompanhadas pela  Clínica de Lesão Medular Infantil do Anita/ISD. Segundo a neuropsicóloga Artemis de Paula, essas questões podem ser relacionadas ao diagnóstico ou não. “Às vezes são questões sobre preconceito que eles sofrem, a falta de acessibilidade, a compreensão do próprio quadro clínico, mas pode haver também outras questões como a conjuntura familiar, por exemplo, não necessariamente por conta dessa condição de saúde”.

Segundo a neuropsicóloga, habilidades que influenciam processos cognitivos de controle e regulação, como atenção seletiva, planejamento, autocontrole e organização podem ser mais desafiadoras para crianças e adolescentes com espinha bífida e o acompanhamento neuropsicológico pode ser aliado nesse processo. “Durante a primeira infância”, observa Artemis, “é necessário trabalhar a partir da estimulação precoce para garantir um ótimo desenvolvimento da criança de forma global, na idade escolar é importante auxiliar nas possíveis dificuldades de aprendizagem e na adolescência/juventude é necessário começar a pensar nas perspectivas de escolha profissional e carreira para o futuro”.

“No caso de bebês com lesão medular, a terapia é mais relacionada à mãe ou aos cuidadores, já com adolescentes e crianças trabalhamos com o acompanhamento do desenvolvimento, avaliação neuropsicológica e orientação de estimulação”, conta a neuroposicóloga. 

Cerca de 20 mães e pais participaram do encontro sobre Espinha Bífida no Anita. No mesmo telão em que viram os depoimentos de Bruna e Fábio eles assistiram ao vídeo em que os filhos aparecem  fazendo o que mais gostam de fazer hoje. A trilha do vídeo é do grupo pop americano Now United e diz, em inglês, “venha junto”.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

RECOMENDAMOS