• Português
  • English

A partir de julho a equoterapia integra atividades oferecidas a pacientes do CEPS

23/06/201612:58

23/06/2016

Texto: Ariane Mondo – Ascom ISD

Fotos: Luiz Juttel – Ascom ISD

Iniciado em 2015, o Serviço Multidisciplinar de Atenção ao Transtorno do Espectro Autista (SEMEA) do Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi (CEPS) se prepara para oferecer a equoterapia como método terapêutico complementar. O método utiliza o cavalo, dentro de uma abordagem interdisciplinar, buscando o desenvolvimento biopsicossocial, a reabilitação e a educação de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais. Resultado de mais uma parceria de êxito entre o ISD e a UFRN,  a iniciativa é fruto do projeto Equoterapia Potiguar, coordenado pelo professor Mário Cardoso de Albuquerque Neto, da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ/UFRN). A proposta busca beneficiar as cerca de 40 crianças de Macaíba (RN) e municípios vizinhos atendidas pelo SEMEA.

Reginaldo Freitas Júnior recebe Sanny de Aquino Ferreira (de pé) e Mário Cardoso de Albuquerque Neto.

Reginaldo Freitas Júnior recebe Sanny de Aquino Ferreira (de pé) e Mário Cardoso de Albuquerque Neto.

Reginaldo Freitas Júnior, diretor de ensino e pesquisa do Instituto Santos Dumont (ISD), afirmou que se trata de uma excelente iniciativa, exemplo concreto de educação e trabalho interprofissional, capaz de fortalecer a qualidade do atendimento já fornecido pelo SEMEA/CEPS e com grande possibilidade de melhorar a qualidade de vida dos pacientes e sua interação social, trazendo benefícios físicos, psíquicos e sociais.

Samantha Maranhão, psicóloga do SEMEA/CEPS, explica que a equoterapia é reconhecida como método terapêutico complementar  pelo Conselho Federal de Medicina desde abril de 1997. Em pacientes com diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA), a equoterapia pode potencializar formas de comunicação, socialização, autoconfiança e autoestima dos praticantes e seus familiares.

A preparação para a equoterapia no CEPS em Macaíba (RN)

No contexto do planejamento das atividades de equoterapia no Programa Institucional de Educação e Trabalho Interprofissional em Saúde Materno-Infantil do Instituto Santos Dumont (ISD), no dia 14 de junho de 2016, o CEPS recebeu dois especialistas no assunto.

Mário Cardoso de Albuquerque Neto (EAJ/UFRN) fala sobre a equoterapia como recurso terapêutico complementar às terapias tradicionais para indivíduos com necessidades especiais.

Mário Cardoso de Albuquerque Neto (EAJ/UFRN) fala sobre a equoterapia como recurso terapêutico complementar às terapias tradicionais para indivíduos com necessidades especiais.

Um deles foi Mário Cardoso de Albuquerque Neto (EAJ/UFRN), idealizador do projeto Equoterapia Potiguar, mestre em Ciência Animal, que falou sobre a equoterapia como recurso terapêutico complementar às terapias tradicionais para indivíduos com necessidades especiais. Em sua fala, o professor fez um histórico sobre o uso do cavalo como agente facilitador do progresso clínico dos praticantes, esclarecendo sobre tipos e particularidades de técnicas de equitação e atividades equestres. Ele explicou, ainda, que a equoterapia necessita de uma equipe interdisciplinar, normalmente composta por equitador, fisioterapeuta, psicólogo, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional.

Sanny de Aquino Ferreira, do Centro de Equoterapia do Rio Grande do Norte (CERN), discutiu “O papel da Fisioterapia na Equoterapia”, trazendo exemplos de como a marcha e o trote do cavalo podem ajudar a melhorar o desenvolvimento sensorial e motor dos praticantes com alteração neurológica ou com atraso global no desenvolvimento. Ela explicou como o movimento tridimensional proporcionado pelo cavalo traz benefícios para os praticantes, mas enfatizou que a equoterapia não se resume a andar a cavalo. Integra um trabalho interprofisisonal em saúde apto a discutir, planejar e elaborar a estratégia de intervenção mais adequada para o praticante.

Programa Institucional de Educação e Trabalho Interprofissional em Saúde Materno-Infantil (PISD3)

Esse é um dos Programas do Instituto Santos Dumont (ISD), sob responsabilidade do Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi (CEPS). Iniciado em 2016 e com duração até 2020, esse Programa tem o objetivo de atuar na formação, desenvolvimento e educação permanente de profissionais de saúde, desenvolvendo ações integradas de ensino, pesquisa e extensão centradas nas concepções de responsabilidade social, equidade, qualidade e eficiência, para gerar evidências científicas, desenvolver estratégias e promover parcerias capazes de fortalecer e auxiliar o Sistema Único de Saúde (SUS). A prestação de serviços de atenção multidisciplinar à saúde materno-infantil, exclusivamente aos usuários do SUS, representa uma das estratégias importantes para a consecução dos objetivos educacionais do Programa.

Mais informações sobre o CEPS: http://www.institutosantosdumont.org.br/centro-de-educacao-e-pesquisa-em-saude-anita-garibaldi/

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

RECOMENDAMOS